Boletim Nº3: Perfil dos Futuros Professores

A terceira edição do Boletim IDados da Educação traça o perfil dos futuros professores do Brasil. Com dados obtidos a partir dos resultados de estudantes brasileiros no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), o Boletim IDados da Educação N.3 apresenta um retrato dos alunos que entram e se formam em cursos de Pedagogia e Licenciatura.

Nesta edição, os dados mostram que os alunos dos cursos de Pedagogia e Licenciatura apresentam baixo rendimento tanto no ENEM quanto no ENADE, apontando para um fato preocupante: no Brasil, os alunos de Pedagogia são recrutados entre aqueles com as piores notas no Ensino Médio. Nos países desenvolvidos, em comparação, os governos procuram atrair os 30% melhores alunos do Ensino Médio para o magistério, garantindo um grupo docente de alta qualidade.

O Boletim IDados da Educação N.3 demonstra ainda, usando os dados da prova de conhecimentos gerais do ENADE, que os alunos de Pedagogia apresentam nível baixo de conhecimentos gerais após quatro anos de faculdade. A análise mostra que apesar do aumento de oportunidades e vagas, nem nas regiões menos desenvolvidas do país os cursos de Pedagogia e Licenciatura conseguem atrair candidatos com perfil acadêmico mais adequado. O que se reflete na qualidade do ensino do Brasil.

A taxa de conclusão nesses cursos é outro dado destacado nesta edição do Boletim. O nível de conclusão no tempo certo é de 46,6%, um índice muito baixo apesar de ser mais alto que outras carreiras. Os dados revelam ainda que a quantidade de alunos e formandos nos cursos de Pedagogia e Licenciaturas é muito superior à capacidade de absorção do mercado – exceto em algumas disciplinas específicas, como Química e Física.

Essas e outras evidências detalhadas no Boletim IDados da Educação N.3 sugerem que o país precisa debater a respeito de quem devem ser os professores para as futuras gerações. A qualidade de um sistema educacional nunca será melhor do que a qualidade dos professores. Portanto, se o país quiser melhorar a educação, precisa mudar suas políticas em relação à carreira de magistério.

O Boletim alerta ainda que a sociedade, especialmente o setor produtivo, precisa debater sobre o que fazer com os atuais professores, visto a influência direta dos baixos níveis educacionais na produtividade da nação. O documento conclui que os setores estratégicos da sociedade também precisam se questionar sobre como atrair bons alunos para o magistério, como oferecer cursos de qualidade sintonizados com a demanda, como desenvolver mecanismos para identificar professores promissores e como oferecer carreiras atrativas para manter bons professores nas escolas.

O Boletim é publicado pelo IDados, instituição associada ao Instituto Alfa e Beto dedicada à análise de dados e de evidências sobre a educação brasileira, com o objetivo de informar e lançar questões para debate entre os diversos públicos responsáveis e comprometidos com a melhoria da Educação.

O Boletim IDados da Educação N.3 está disponível para leitura abaixo. Para fazer o download na íntegra em seu computador ou smartphone, preencha o formulário ao lado.

https://issuu.com/institutoalfaebeto/docs/boletim_idados_o_perfil_dos_profess/1

Caso deseje enviar um comentário sobre o Boletim IDados da Educação N.3, escreva um email para comunicação@alfaebeto.org.br.

Compartilhe este Artigo

Se você gostou desse artigo, por favor, tome um segundo para compartilhá-lo.

Assuntos relacionados

Comente

Deixe uma resposta