Loading...

Blog

Quanto ganham homens e mulheres nas ocupações predominantemente masculinas e femininas?

Recentemente a mídia tem conferido bastante destaque à diferença salarial média que existe entre homens e mulheres (ver alguns exemplos aqui, aqui, aqui e aqui). Estas notícias tipicamente chamam atenção para o fato de que homens ganham, em média, mais do que as mulheres. No entanto, as referidas notícias não costumam abordar a questão da diferença salarial de um ponto de vista mais específico, tentando identificar se existem, por exemplo, ao menos algumas profissões em que as mulheres conseguem auferir salários maiores do que os homens.

Este post procura justamente identificar se existem ocupações em que as mulheres auferem salários maiores do que os homens.

Como primeiro passo, para tentar identificar pelo menos algumas das profissões em que mulheres auferem salários maiores do que homens, escolhemos a base de dados para ser utilizada na análise. Optamos por utilizar os dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), que contém informações bastante detalhadas acerca dos indivíduos.

Dentre as informações disponibilizadas pela RAIS destacamos, como relevantes para a análise que realizaremos aqui, a presença das seguintes variáveis: sexo, nível educacional, ocupação e salário. Escolhemos ainda trabalhar com os dados da RAIS referentes à 2017, visto que este é o último ano para o qual as informações da referida base já se encontram disponíveis.

Como segundo passo, visando determinar ao menos algumas das ocupações em que mulheres ganham mais do que homens, focamos nas cinco ocupações com maior proporção de pessoas do sexo feminino. Acreditamos que estas cinco profissões com maior proporção de mulheres parecem um bom ponto de partida para identificar as ocupações em que mulheres auferem salários maiores do que homens.

Vale ressaltar que decidimos excluir, ainda neste segundo passo, aquelas ocupações que empregam menos de 1000 trabalhadores, e que, portanto, têm pouquíssima relevância dentro do mercado de trabalho.

Finalmente, optamos por restringir a análise apenas às ocupações que exigem ensino superior. Este filtro ajuda a limitar um pouco mais o universo a ser analisado, facilitando a exposição dos resultados. Além disso, é justamente dentre as ocupações que exigem ensino superior que reside o maior diferencial de salários entre homens e mulheres.

Os dados da RAIS de 2017 mostram que homens ocupados em empregos que exigem o ensino superior auferem rendimentos maiores do que os recebidos por mulheres ocupadas em empregos que demandam qualificação semelhante, em aproximadamente 2.462,00 reais. No caso dos empregos que não exigem ensino superior, a diferença salarial diminui bastante, chegando a apenas aproximadamente 389,00 reais.

A Tabela 1 abaixo apresenta os principais resultados de nossa análise. Verificamos que as cinco ocupações com maior proporção de mulheres são: (i) Enfermeiro obstétrico, (ii) Nutricionista, (iii) Fonoaudiólogo geral, (iv) Professor de alunos com deficiência múltipla e (v) Assistente social.

Como esperado, a proporção de mulheres em todas as cinco profissões apresentadas na Tabela 1 abaixo é extremamente elevada, partindo de 93,6%, no caso dos Assistentes sociais, e aumentando até chegar em 94,4%, no caso dos Enfermeiros obstétricos. Finalmente, observamos, como previamente projetado, que na maioria das ocupações apresentadas na Tabela 1, mais precisamente em 4 das 5 profissões destacadas, as mulheres auferem salários maiores do que os homens.

Os dados apresentados na Tabela 1, acima, trazem uma boa notícia para as mulheres. Mais precisamente, os números acima mostram não apenas que existem profissões em que as mulheres recebem mais do que os homens, mas também que, em alguns desses casos, o diferencial salarial chega a ser bastante favorável para as mulheres. Isso é justamente o que acontece com as mulheres que trabalham como Enfermeiras obstétricas, que chegam a ganhar, em média, quase 1.132,00 reais a mais que os homens que exercem a mesma profissão.

No entanto, uma análise dos cinco empregos com maior proporção de homens – e que exigem ensino superior – mostra que o mercado de trabalho brasileiro ainda é bastante desfavorável para as mulheres. Estes cinco empregos são apresentados na Tabela 2, abaixo, e quando comparados aos dados apresentados na Tabela 1, acima, apontam para uma dura realidade para as pessoas do sexo feminino.

Primeiro, verificamos que os salários obtidos nas cinco profissões com maior participação feminina (Tabela 1) são muito menores do que aqueles recebidos nas cinco ocupações com maior proporção masculina (Tabela 2).

Se, por um lado, os salários obtidos nas cinco profissões com grande participação feminina (Tabela 1) possuem valores relativamente reduzidos, ficando entre 3.600,00 reais para homens e 3.900,00 reais para as mulheres, por outro, as remunerações auferidas nas cinco ocupações com elevada proporção masculina (Tabela 2) apresentam valores expressivamente mais elevados, ficando entre 10.800,00 reais para mulheres e 15.700,00 reais para homens.

Segundo, os dados mostram que o diferencial salarial favorável ao homem nas cinco profissões com maior participação masculina (Tabela 2) é expressivamente maior do que o diferencial salarial favorável à mulher nas cinco ocupações com maior proporção feminina (Tabela 1).

Os homens ganham quase 4.876,00 reais a mais do que as mulheres nas cinco ocupações com maior proporção de homens (Tabela 2), valor bastante superior aos cerca de 269,00 reais que as mulheres ganham a mais nas ocupações com maior participação de mulheres (Tabela 1).

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − dezesseis =

Fique bem informado

Receba novidades do IDados no seu e-mail.