Loading...

Blog

Aumenta proporção de pessoas solteiras no Brasil nas últimas décadas

Por Mariana Leite, pesquisadora do IDados

A proporção de pessoas solteiras na população brasileira aumentou nas últimas décadas (Gráfico 1). Em 1970, aproximadamente 31% das mulheres e 37% dos homens de 18 a 60 anos eram solteiros. Em 2010, essas taxas subiram para 36,5% e 39%, respectivamente – como se vê, o aumento foi maior para as mulheres.

Este post tem como objetivo descrever algumas das mudanças demográficas ocorridas na população brasileira nas últimas cinco décadas. Desde o início do século XX, é observado nos países desenvolvidos que as taxas de casamento têm diminuído, assim como a idade do primeiro casamento. Aparentemente, a mesma mudança ocorre no Brasil, porém em taxas menores.

Gráfico 1: Porcentagem de solteiros (as) na faixa-etária (1970 e 2010)

tabela1

Fonte: Censos Demográficos de 1970 e 2010.
Nota 1: Pessoas de 18 a 60 anos.
Nota 2: Foram excluídos aqueles com estado conjugal viúvo.
Nota 3: Foram considerados solteiros todos aqueles que se declararam solteiros, desquitados, separados ou divorciados. A definição de “separado” se alterou de 1970 a 2010. Em 1970, era considerado separado apenas aquele que terminou casamento civil e/ou religioso. Em 2010, essa definição passou a incluir também o término de uma relação de união consensual (que antes era classificado na categoria de “solteiro”). Essa mudança não parece ser a razão do aumento de solteiros em 2010, uma vez que a proporção de solteiros não se alterou.

 

Separando por faixa-etária, os comportamentos são bastante distintos. Primeiro, na faixa-etária de 18 a 24 anos, a proporção de solteiros é muito superior à dos demais grupos, seja em 1970 ou em 2010.

Porém, a proporção de homens solteiros com idades entre 18 e 24 anos é bastante superior ao de mulheres, e diminuiu entre 1970 e 2010, diferentemente do que ocorreu com as mulheres na mesma faixa-etária.

Portanto, os maiores aumentos na proporção de solteiros ocorreram nas faixas-etárias mais altas, tanto para mulheres quanto para homens. E isso ocorreu principalmente pela elevação na proporção de separados (Gráfico 2).

Gráfico 2: Porcentagem de solteiros(as) na faixa-etária de 25 a 35 anos por categoria (1970 e 2010)

tabela2

Fonte: Censos Demográficos de 1970 e 2010.

Outro ponto interessante é que para as mulheres, a proporção de solteiras cresceu em todas as regiões. Já para os homens, isso varia de região para região (Gráfico 3). No Centro-Oeste e no Norte, a proporção de homens solteiros caiu ou ficou estagnada. Nordeste e Sudeste são as regiões com maior proporção de solteiros.

Gráfico 3: Porcentagem de solteiros(as) por região (1970 e 2010)

tabela3

Fonte: Censos Demográficos de 1970 e 2010.
Nota 1: Pessoas de 18 a 60 anos.
Nota 2: Foram excluídos aqueles com estado conjugal viúvo.
Nota 3: Foram considerados solteiros todos aqueles que se declararam solteiros, desquitados, separados ou divorciados. A definição de “separado” se alterou de 1970 a 2010. Em 1970, era considerado separado apenas aquele que terminou casamento civil e/ou religioso. Em 2010, essa definição passou a incluir também o término de uma relação de união consensual (que antes era classificado na categoria de “solteiro”).

 

Quando o foco é a participação no mercado de trabalho, vemos que a proporção de mulheres solteiras que trabalha se elevou de 1970 a 2010, mas a maior mudança ocorreu no grupo de mulheres casadas (Gráfico 4). Em 1970, somente 12,3% das mulheres casadas de 18 a 60 trabalhava. Em 2010, esse número subiu para quase 55%.

Gráfico 4: Porcentagem de pessoas ocupadas (1970-2010)

tabela4tabela5

Fonte: Censos Demográficos de 1970 e 2010.
Nota 1: Pessoas de 18 a 60 anos.
Nota 2: Foram excluídos aqueles com estado conjugal viúvo.
Nota 3: Foram considerados solteiros todos aqueles que se declararam solteiros, desquitados, separados ou divorciados. A definição de “separado” se alterou de 1970 a 2010. Em 1970, era considerado separado apenas aquele que terminou casamento civil e/ou religioso. Em 2010, essa definição passou a incluir também o término de uma relação de união consensual (que antes era classificado na categoria de “solteiro”). Essa mudança não parece ser a razão do aumento de solteiros em 2010, uma vez que a proporção de solteiros (nunca se casou) não se alterou.

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique bem informado

Receba novidades do IDados no seu e-mail.